Arquivo de julho de 2011

Indiferença, linguagem universal

Pegue uma van, coloque no banco de trás um jovem antissocial ao lado de um caixão e deixe perto da direção um pai em busca do equilíbrio entre trabalho e vida familiar. Depois, mande todos seguir por estradas inóspitas numa viagem desgastante, cheia de percalços, da qual ninguém nunca mais voltará igual. A fórmula funciona do início […]

O desmedido momento

“E era o inesquecível de repente, de que podia traspassar-se, e a calma, inconclusa. Durou um nem-nada, como a palha se desfaz e, no comum, na gente não cabe: paisagem e tudo, fora das molduras. Como se ele já estivesse com a Mãe, sã, salva, sorridente, e todos, e o Macaquinho com uma bonita gravata […]