Tag: amor

em automático.

são poucas as coisas nesse mundo que têm a capacidade tão incisiva de me colocar a vida em perspectiva como o subir-e-descer de um avião. e por dois motivos: o primeiro, e também o mais óbvio, pelo distanciamento físico que um vôo de avião oferece. estar a trinta e cinco mil pés da própria vida […]

gota d’água

hoje eu sonhei com lobos. quer dizer, eu sonhei com um lago habitado por lobos. lobos que viviam embaixo d’água como as arraias. lobos que viviam com os peixes. era um lago raso. entrei no lago guiada por um nativo. dava pra alcançar os pés no chão e a água não chegava nos nossos ombros. dava […]

o infinito foi descoberto ou foi inventado?

e o amor?

centrípeta.

um passo dado na direção errada. um passo. uma curva e lá estava ele. exibia aquela mesma postura ao mesmo tempo tão frágil e tão digna de quem perdeu faz tempo a única certeza que teve na vida. lá estava ele. esperando um sinal verde para cruzar a avenida. contando os ponteiros daquele relógio que […]

mentirinha.

sinto saudade das brevidades recém-saídas do forno e das mentirinhas incrementadas com glacê e formigas. sinto falta dos cafés-da-manhã às sextas feiras e de ser obrigada a comer all bran. sinto saudade das tantas histórias que ela contava e sinto um rombo no peito quando lembro das outras tantas que ela só insinuou. sinto falta […]

um mapa da ternura

madeleine de scudéry foi uma moça francesa nascida no início do séc XVII. madeleine tinha idéias modernas. estudou e viveu no burburio intelectual de paris. madeleine escrevia romances e-nor-mes de dez, vinte volumes. obviamente, madeleine escrevia sobre o amor. em um dos 16 tomos de seu giga-romance clélie, madeleine desenhou (com a pena dos ideais […]

ticket to ride

um dia o amor pegou o ônibus errado. ficou um tempo sumido, ninguém sabia dele. um outro dia o amor voltou. sujismundo e minguado. tinha a cara amarela e os dedos sujos de terra. ninguém nunca soube por onde o amor andou.  o amor nunca falou sobre isso. o amor dificilmente sai da cama. o […]

viro e mexo tropeço nas quinas daquela história. uma por uma das quinas daquele amor. o amor que você deixou. justamente por ter tantas quinas. eu nunca soube lidar com as tuas quinas. e você sempre teve tantas delas. você sempre soube do meu desjeito. sempre soube que uma hora ou outra meu passo torto […]