coração tão branco.

dei por mim que, caso essa situção permaneça por mais algum tempo, é capaz d’esse fel todo me matar um dia. como aquelas histórias que a gente ouve, das esposas que envenenam seus maridos um pouco por dia até que eles caem de cara e se afogam num assado qualquer. e elas sorriem baixinho, as esposas. por um segundo elas sorriem muito, antes de vestirem o luto e fazerem aquelas cenas. dizem que é mais comum do que se imagina.

e deve ser mais ou menos a mesma coisa com a tristeza, um soro amarelo e espêsso se multiplicando dentro da gente, até-que-um-dia.

eu daria a vida pra estar lá e ver se você sorriria, apesar de todo o paradoxo da situção.

porque eu carreguei toda a culpa, trouxe pra mim a responsabilidade do feito, pra que você sofresse mais leve. pra que conseguisse se levantar todas as manhãs e dar o seu passo pra longe de mim. eu drenei o fel que eu produzi em ti, diluí em destilado e bebi aquela solução amarga até não sobrar gota.

e eu fiquei com todos os restos, não saí daquela casa. eu alinhavei todo o estrago pra costurar depois com linha grossa. e furei todos meus dedos. fechei todas as portas. lavei os lençóis e depois os comi, como comi um a um de todos os vestígios de nós. eu comi as palavras e seus ecos. comi os planos. no caso de você fraquejar e querer voltar. você tinha aquele desespero e não via nada. eu tinha a culpa e a urgência de te tirar daquele lugar.

isso foi há muito tempo. e a doçura sempre esteve em ti. mesmo antes de eu comer e beber o resto apodrecido de tudo o que fomos. mesmo antes. sempre, sempre e só em ti.  nunca tive nada em mim que me pudesse ajudar a digerir tudo aquilo. é o tipo de coisa que se deveria constatar antes, não acha?

agora você vê, não vê?

9 Comentários

Assine o feed RSS dos comentários deste post.
  • escrevendo cada vez mais lindo.
    mas não gosto de fel. fel é uma palavra tão feia quanto o amargo que ela significa.
    nhom
    <3

  • … OLO
    ´

  • nessas horas seria importante fazer regime. mas é tão difícil..

  • oi geo. adorei o nome do teu blog. =)
    a maioria dos meus pensamentos (sentimentos?) acabam sendo gástricos.

  • gente, que saudade de te ler… eu era do ultrasensitive. wordpress, lembra?

    bom te achar!

    lerei todos os textos!
    beijo!

  • Eu sempre gostei dos seus textos, seu blog antiiiiiiigo…aí depois segui seu tumblr, sem ter um, me inspirei e fiz um e agora te acompanho aqui também!! Eu me identifico com você e gosto da sua forma de ver o mundo!!
    Escreve mais e mais e mais…. =)

  • ai dona mirella, eu ando te procurando nessas tardes vazias de são paulo. vazias de você, por assim dizer. e me pergunto em qual dessas esquinas eu te perdi!
    e eu me ensurdeço num grito de saudade. porra (com toda a poesia dos palavrões bem usados), volta pra minha vida.

    o seu tmblr me permite ainda te manter perto.

    te amo, louca do secador.

  • Identificação total e plena.
    Ô mania nossa de abrandar penas,
    facilitar fugas de quem merece estar
    acorrentado, saboreando o próprio fel.
    ,)

  • adorei e senti como se eu estivesse escrito.
    lindo.

Comente

Seu email não será exibido. * Campos obrigatórios

*
*
*