Categoria: ócio, cio e cia

música, diretor!

Esse domingo estréia finalmente, na Rai Uno, o documentário no qual trabalhei de assistente de câmera em julho de 2009, ‘La visita meravigliosa’, um road movie mambembe sobre o compositor Nino Rota, responsável pela trilha sonora de quase todos os filmes de Federico Fellini. Amarcord 8 e 1/2 Casanova Entrevistamos várias pessoas que conheceram Rota: [...]

conto bíblico-erótico

(atenção, o texto a seguir ilustra cenas bíblicas de zoofilia, recomenda-se a pessoas muito impressionáveis abster-se da leitura) Eva estava encantada com sua nova amiga, a serpente. Ela conhecia tanta coisa! E não era mal-humorada como Deus, que também sabia tudo, mas que sempre ficava de cu doce pra contar o que quer que fosse. [...]

foi assim que H soube de Deus,
concluiu que a sua existência era duvidosa e deduziu a solução para o problema resultante:

(trecho daquele mesmo algo futuramente maior) Acordou no meio da noite assustado, preso nos lençóis. Esbaforido, chutou os panos de algodão branco e grosso com toda a força, acabou tirando junto a calça do pijama. Estava tudo escuro, nenhum barulho de grilo nem de sapo, todos na casa dormindo. Teve medo de existir somente assim, [...]

uma mulher que imagina um homem que imagina uma mulher

(trecho de algo futuramente maior) H gostava muito de dormir. Mas não gostava da hora de deitar-se. Ficava impaciente e o sono sempre lhe fugia chegando a noite. Talvez daí seu gosto por corujas e por asas de mariposas com desenhos que lembravam olhos de corujas. Preferia as sonecas pesadas do meio da tarde. Mas [...]

a metamorfose do monstrinho libertino

A lagarta pantagruélica de pêlos nababescos chegou ao auge do empanturramento: fez-se súbito casulo gordo recolhido silencioso e monástico, na ressaca do bombástico contentamento. Submersa em sua gruta suspensa, digeriu sua fome antropofágica insidiosa, sua ânsia por interstícios profundos e calorosos, por pistões, obeliscos e empaladores impiedosos. Vizinhando o oco consequente, tateou o abismo com [...]

l’adieu

É bom ver que o tempo gasto em uma atividade serviu pra alguma coisa. E é engraçado ver que coisas horríveis podem ter lindas conseqüências. No caso, algumas fotos em preto e branco que eu fiz de Paris foram usadas pelo meu vizinho no projeto de fim de ano dele. Veja só, conheci-o porque algo [...]

pedro, inês e o coração de galinha

Pedro e Inês Inês comia um sanduíche de coração sentada no balcão do bar quando Pedro chegou esbaforido. Ela levantou a sobrancelha como se dissesse “que foi, viu um fantasma?”. – Não, subi correndo, ainda tô destreinado. O pão francês pálido esmigalhava-se sobre o prato coberto com um daqueles guardanapos que não servem pra nada, [...]

os peixes-dálmata e a declaração do batman

Os peixes voavam fazendo lambança no chão de terra do largo na frente da porteira do sítio. Eram brancos com umas manchas pretas, peixes-dálmata, lembravam linguados, mas meio felinos. Pululavam saltando os fios elétricos. Catei um e espetei com um pauzinho, pus em cima de umas brasas que estavam lá perto da touceira de mamona [...]

“el falo era un símbolo apotropaico”

Remexendo em e-mails antigos, encontrei uma carta do prof. Pedro Paulo Funari comentando um artigo sobre literatura pornográfica que publiquei no finado caderno Sinapse da Bolha de S.Paulo. Dizia ele: “‘o gosto romano pelas imagens pornográficas’, como na chamada da página 20, apenas reforça um estereótipo sobre os romanos que, na verdade, viam no sexo [...]

gainsbourg & lolitas

As lolitas são fartas na música de Gainsbourg. Já mencionei a idolatria que ele tinha pelo livro de Nabokov em “Jane B”. Em “Chez Les Yé-Yé”, 1963, rendição ao ritmo contagiante dos anos 60, ele dizia non rien n’aura raison de moi/ j’irai t’ chercher ma Lolita/ chez les yé-yé (não, nada decidirá por mim/ [...]

Va Pensiero

Ok, então vou contar: desde a primavera daqui, não sei exatamente porque, mas a Itália e os italianos cruzam meu caminho a torto e a direito. Já mencionei minha atração pelas cantoras daquele país. Até aí, a Itália é aqui do lado e italiano tem em tudo quanto é canto (por que?). Mas parece mais [...]

gainsbourg & music kitchen

“l’amour est aveugle et sa canne est rose” (o amor é cego e sua bengala é rosa) S.G.   Os primeiros contatos que tive com a chanson française devem ter sido com o CD duplo da Edith Piaf que minha irmã mais velha ouvia no volume máximo em seu aparelho estéreo enorme. Seu quarto sempre [...]

lost in translation (version X)

(trilha sonora: a versão original, molhadaça e long time escondida –foi gravada em 1967 e liberada só em 1986– de “je t’aime moi non plus” gainsbourg + bardot)   Já que eu já entrei no j’ai baisé, vamos continuar no hardcore porque sacanagem é bom e eu gosto.    Uma das melhores coisas para se [...]